CÍRCULO DE HIPOCRISIA


A grande maioria dos atentados armados que ocorreram nos últimos anos nos Estados Unidos (EUA) partiu de jovens convivendo em famílias desestruturadas, principalmente sem a presença paterna no lar. Assim surge uma narrativa claramente desastrosa: a desagregação familiar, como um fenômeno pós-moderno e mundial, e o relativismo dos valores fundamentais do ser humano, dentre eles a vida humana. Mata-se por que a vida humana já não tem qualquer valor, servindo de objeto meio para fins nem sempre meritórios.

As causas da atual fragmentação familiar são diversas, dentre elas a percepção do casamento como um contrato civil, e não como uma união indissolúvel sob princípios sobrenaturais; a facilitação do divórcio; a rejeição da complementaridade do casal; a instituição do “casamento” de pares do mesmo sexo; a emancipação politizada do sexo feminino; o enfraquecimento da relação de hierarquia entre pais e filhos; a disseminação do álcool e das drogas no íntimo familiar; a pornografia; a promiscuidade infantil, que pode levar à prostituição, à gravidez precoce e ao aborto. Alguns desses fatores, conjugados com outros de complexa detecção, ao mesmo tempo em que levam à exposição familiar e à degeneração de seus sustentáculos também se tornam consequência direta do rompimento interfamiliar e com a sociedade.

Voltando aos casos de atentados nos (EUA), é intrigante notar que muitos dos que repudiam essas violações aos direitos humanos, colocando culpa na facilidade da obtenção de armas e tantos outros fatores do gênero, são os mesmos que patrocinam e militam em movimentos ideológicos que arquitetam a destruição das famílias. Fecha-se, assim, o círculo da hipocrisia: os que lutam pela destruição da família repudiam os atentados, cuja origem é justamente a profunda e histórica destruição das famílias. Essa é a “lógica” dos que escondem a dinâmica de destruição da base familiar, de modo a gerar pauta e agenda políticas de lutas, mas que não mostram à população que eles são os próprios autores indiretos dos atentados, através da destruição moral de nossas famílias, da base da sociedade.

O casamento indissolúvel entre heterossexuais é vital para a saúde e o bem-estar de nossas crianças e adolescentes. Crianças do sexo masculino que não têm o modelo inconfundível de pai presente em suas famílias são prejudicadas em seus sentimentos e perspectivas de futuro. Tornam-se jovens desobrigados a seguir os princípios humanos e respeitar o outro. Quando estes jovens sofrem, a sociedade sofre.

Fontes:
https://www.foxnews.com/opinion/missing-fathers-and-americas-broken-boys-the-vast-majority-of-mass-shooters-come-from-broken-homes
https://www.foxnews.com/opinion/the-desperate-cry-of-americas-boys
https://ifstudies.org/blog/school-shootings-fathers-divorce-family-structure

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *