VENCEU O AMOR


Finalizadas as Eleições 2018, Jair Messias Bolsonaro, o novo Presidente Eleito, é fruto da vitória da razão, da justiça, da benevolência e do amor ao próximo. Sim, do amor! Do amor incondicional a Deus, ao nosso povo, às famílias brasileiras, à nossa juventude, às diferenças, às nossas crianças, à nossa pátria, à nação inteira. Amor pela preservação e fortalecimento dos nossos sentimentos de esperança. Vitória de um sentimento de pureza e transparência que pode ser observado em momentos únicos desse novo tempo. A vitória de Bolsonaro e da ampla maioria dos brasileiros é o resultado da superação civilizada a três décadas de destruição moral e ética, em que governos (re)progressistas encheram os bolsos de seus mandatários e esvaziaram os valores morais da população, principalmente da mais carente, sem muitos meios de defesa contra a nova hegemonia elitista e ideológica que se formava.

Os inumeráveis erros dos governos das últimas décadas não podem ser concentrados na simplória desconexão entre governantes e os mais pobres, da elite comunista com a realidade diária dos mais carentes e necessitados. A estratégia de desconstrução da identidade dos brasileiros foi milimetricamente desenhada por mentes doentias e implementadas por criminosos agentes sociais, muito bem financiados por conglomerados internacionais. A estratégia de destruição foi orquestrada e direcionada à manipulação humana (física e psicológica) de boa parcela da sociedade brasileira. À base de uma oferta mensal de sobrevivência, a camada social mais pobre cegou à retirada de seus filhos de casa enquanto os donos do poder os apresentavam ao mundo das drogas, ao sexo sem limites, à erotização precoce, à doutrinação escolar.

Obcecados por uma ideologia que em sua máxima pouco há de preservação do indivíduo em si, mas apenas sua utilização nas finalidades coletivas do projeto de poder, os governos dos últimos anos foram capazes de em menos de três décadas destruir moralmente duas gerações de brasileiros. Levaremos mais algumas gerações para resgatar nossas crianças, adolescentes, jovens e muitos adultos do estrago que foi feito, tudo sempre em nome de uma falsa defesa da democracia, de resistência ao eterno inimigo imaginário.

Venceu o amor da maioria contra o rancor de uma minoria histérica, subproduto de uma divisão ideológica da sociedade. Venceu o amor contra os que fomentam o ódio entre os brasileiros e que sequer foram capazes de aceitar a derrota e desejar boa sorte ao novo comandante do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *